Afinal, o que significa sair da ‘zona de conforto’?

Início / Blog / Afinal, o que significa sair da ‘zona de conforto’?

 

por Renato Miranda
É importante ressaltar que a busca por grandes desafios não pode ser uma atitude intempestiva e sem avaliação. É preciso sempre buscar um ponto de equilíbrio, entre desafios e as habilidades capazes de enfrentá-los” Em algumas entrevistas com técnicos e atletas de alto nível muito se escuta sobre evitar a “zona de conforto” para não fracassar diante dos desafios. Algumas pessoas me perguntam o que realmente significa essa expressão.

Não sei se o que eu entendo sobre o tema é o mesmo que esses desportistas querem dizer, mas acredito que tenha alguma correlação.

Primeiramente é bom lembrar que o resumo de nossas vidas é justamente resolver problemas. Em qualquer etapa da vida estamos de algum modo, resolvendo algum tipo de problema. Desde os mais rudimentares como matar a sede e fome até os mais sofisticados, como aprender um novo idioma.

É claro que muitos desses ditos problemas sofisticados são reconhecidos como desafios para realizações e cumprimentos de metas pessoais e profissionais.

No esporte essa ideia é bastante peculiar: há sempre que progredir e os desafios são cada vez mais exigentes. Em consequência, esforço constante é parte de uma árdua rotina.

Acontece que quando se atinge certo nível de desempenho somos impulsionados para uma situação de acomodação e nos damos por satisfeitos com aquilo que conseguimos controlar. Em poucas palavras, sempre estamos a procurar o controle de algo que temos que fazer. Quando conseguimos obter o pretendido controle a tendência é a acomodação.

O esporte competitivo (principalmente o de alto nível) tem em sua natureza exigir cada vez mais daqueles que almejam as grandes conquistas. E grandes conquistas são de fato grandes desafios. E diante de grandes desafios o atleta pode sentir-se fora do controle e fracassar.

O atleta se realiza ao manter controle da situação em determinado nível, portanto se esse almeja progredir terá de enfrentar novos desafios e situações em que ainda não domina (controle!). E evoluir exige essa “ameaça” constante – enfrentar algo que não se controla.

Não obstante, muitos atletas para não perderem o controle de seu próprio desempenho, mantêm certo nível de realização e se esforçam até certo ponto para se obter boas chances de sucesso.

Essa é uma estratégia cômoda para o atleta se sentir tranquilo, o problema é que essa acomodação não proporciona desenvolvimento pessoal. No esporte como em qualquer outro setor, não é possível atingir progressos sem correr riscos (fracasso, decepções, desgastes físicos e pessoais, enfrentamentos de diversas dificuldades, etc.).

No alto rendimento esportivo o atleta que deseja ter sucessos significativos estará sempre (como diz o psicólogo CSIKSZENTMIHALYI) “no fio da navalha” da atuação. Observe como disputas em campeonatos mundiais e jogos olímpicos são decididos em frações de segundo ou em um único ponto.

O atleta que se dispõe a estar “no fio da navalha” é aquele que suas habilidades são sempre desenvolvidas e compatíveis com novas exigências, ou seja, habilidades fluídas e capazes de mudar. O atleta que prefere sentir-se cômodo em um nível de controle sugere perda de desempenho com o passar do tempo.

É importante ressaltar que a busca por grandes desafios não pode ser uma atitude intempestiva e sem avaliação. É preciso sempre buscar um ponto de equilíbrio, entre desafios e as habilidades capazes de enfrentá-los. A maneira prática de equacionar tal situação é a percepção que o atleta tem daquilo que ele supostamente ainda não consegue controlar. Ou seja, aquilo que o atleta não controla, ao mesmo tempo não o abala. Ele tem a clara percepção que o controle chegará cedo ou tarde. É uma questão de tempo.

A melhor preparação para enfrentar grandes desafios e por conseguinte obter grandes realizações, é aumentar as habilidades físicas, psíquicas e desafios como uma espiral, em que o movimento gradual de uma parte (desafios) sugere o aumento da outra parte (habilidades).

Talvez seja por isso que o desempenho em alto nível exige superação constante e superação não combina com conforto.

http://www2.uol.com.br/vyaestelar/psicologia_zona_de_conforto.htm

Comentários
  • Lualis Rosa

    Vale sempre lembrar que atleta de alto rendimento não significa ser saudavel, que devemos sim sair da nossa zona de conforto, mas cuidando da nossa integridade fisica… Beijokas

Escreva um comentário