Estudo abre novas oportunidades para futuros medicamentos para tratar a obesidade

Início / Blog / Estudo abre novas oportunidades para futuros medicamentos para tratar a obesidade
 

obesidade0

Descoberta mais um tipo de gordura marrom

 
Estudo abre novas oportunidades para futuros medicamentos para tratar a obesidade
 
As células de gordura marrom do corpo desempenha um papel chave no desenvolvimento da obesidade e diabetes. Pesquisadores da Sahlgrenska Academy, Universidade de Gotemburgo, na Suécia, descobriram agora que os seres humanos têm dois tipos diferentes de células de gordura marrom, e não um tipo como se pensava anteriormente. Esta descoberta, agora publicada na revista Nature Medicine, abre novas oportunidades para futuros medicamentos que exploram a capacidade das células marrons de gordura para consumir calorias.
 
Ao contrário das células de gordura branca, que armazenam energia excedente do corpo na forma de gordura, células de gordura marrom têm a propriedade única de serem capazes de queimar energia e transformá-la em calor.
 
O estudo agora publicado pelos pesquisadores da Universidade de Gotemburgo, mostra pela primeira vez que as pessoas têm pelo menos dois tipos diferentes de células de gordura marrom – e não apenas uma, como se pensava anteriormente. De acordo com Sven Enerback, que está a frente do grupo de pesquisa sobre as células de gordura e o metabolismo, esta é uma descoberta interessante.
 
“Nós já sabemos que aqueles que têm mais tecido adiposo marrom têm um risco menor de desenvolver diabetes tipo 2. Os resultados mostram que, eventualmente, podemos desenvolver métodos para estimular o tecido adiposo marrom, de modo que uma parte do excedente energia que armazenam, sob a forma de tecido adiposo, pode ser convertida em calor. Tal tratamento poderia prevenir a obesidade e reduzir o risco de desenvolvimento de doenças relacionadas com a obesidade, tais como diabetes tipo 2 “, diz Sven Enerback.
 
Os pesquisadores chamam o novo tipo de tecido adiposo marrom de “clássica gordura marrom”. De acordo com o estudo de Gotemburgo, os jovens têm esse tecido clássico de gordura marrom, mas este tecido tenderia a desaparecer durante a adolescência. “Uma idéia é ser capaz de” reativar “o tecido adiposo marrom clássico em pessoas mais velhas e assim tratar a obesidade”, diz Sven Enerback.
 
A investigação sobre o tecido adiposo marrom está sendo feito em estreita colaboração com pesquisadores da Universidade de Linköping.
 
FONTE: Universidade de Gotemburgo e Nature Medicine
http://www.abeso.org.br/lenoticia/1001/pesquisa.shtml

Escreva um comentário