Mulheres Equilibristas – Uma jornada de peso

Início / Blog / Mulheres Equilibristas – Uma jornada de peso

Vivemos um momento histórico, onde a mulher se encontra presa a uma série de compromissos antes ocupados somente pelos homens. Antigamente exercia sua função de mãe e dona de casa, tinha demarcada a sua área de atuação e suas funções.
No contexto atual, uma série de conflitos advindos da evolução do universo feminino acaba por exigir da mulher uma elasticidade absurda, pois com a abertura de novas frentes de trabalho, vem se qualificando, estudando, não deixando de ser a responsável pelo bom andamento e funcionamento da rotina familiar.
Nessa montanha russa em que hoje nós mulheres nos encontramos, acabamos vítimas de nossas conquistas, desenvolvemos a sensação de faltante, pois não dá para dar conta de tudo, mesmo querendo.
Esses sentimentos acabam por tomar conta das mulheres, gerando uma necessidade absurda de ter que fazer e ao mesmo tempo não saber o que fazer, acabando por deixar seus desejos de lado.
Os desejos das mulheres passam a ser substituídos por uma série de necessidades a serem resolvidas, como atenção ao marido, aos filhos, trabalho, ela ainda carrega peso do que não consegue resolver, mas que a sociedade prega como sendo o ideal: inteligente, competente, mãe exemplar, magra, bonita e malhada.
A síndrome da mulher elástica! Dividida, carregando o peso do não dar conta, se sente esmagada pela falta de tempo, acabando por cortar todas as atividades essenciais, como fazer uma refeição adequada tanto na qualidade como no tempo, encontrar os amigos, malhar na academia, ir ao salão, tendo que acabar por encaixar os poucos cuidados que se dá, após sua jornada de trabalho.
Com a ausência de tempo para atividades e cuidados que lhes proporcionam prazer, ocorre um aumento significativo à incidência da obesidade, visto que a comida é o meio mais fácil e rápido de satisfação.
Faz-se necessário uma reavaliação do seu contexto de vida para que se encontre um equilíbrio entre o trabalho e as atividades que lhes proporcionam prazer, para que desta forma, possam alcançar equilíbrio com momentos de alegria, com trocas afetivas com família e amigos, deixando a comida como um momento necessário em nosso dia a dia, mas não como o prato principal.

FELIZ DIA DAS MULHERES PARA TODAS NÓS, QUE SOMOS VERADEIRAS GUERREIRAS!

Um abraço
Psicóloga Luciana Kotaka
Especialista em  Obesidade e Transtornos Alimentares
Curitiba – PR
Comentários
  • Míriam

    Quanta verdade! É a realidade da mulher atual, e o pior são essas palavras: “magra, bonita e malhada.” Nossa…como é difícil depois de tudo, ainda chegar nessas palavrinhas mágicas..rsrs òtimo post amiga! Bjs

Escreva um comentário