Compulsão por doce?

Início / Alimentação / Compulsão por doce?

O açúcar é um dos principais alimentos que levam as pessoas a episódios de compulsão, apesar de estar presente em vários pratos deliciosos, em excesso traz malefícios à nossa saúde. Nem sempre é fácil manter essa equação em equilíbrio. Abrimos a caixa de bombons jurando a si mesmo que comeremos somente um, porém na sequência vamos para mais um e quando nos damos conta comemos a caixa toda.

O pior é que nem dá tempo de sentir prazer. O primeiro e o segundo foram deliciosos, mas depois nem sentimos mais nada. Cumprimos somente o papel de empurrar garganta abaixo para satisfazer a compulsão alimentar. A necessidade de acabar com toda a caixa não se dá somente pelo açúcar em si, mas por toda a representação que este tem em nossa vida.

Muitas vezes nos lembramos da comida da avó, da mãe, um momento de felicidade em que o chocolate, o doce estava presente, e assim para cada pessoa o doce pode representar a felicidade, união, momentos de família, saudade de alguém querido e até para preencher o sentimento de solidão.

Devemos sempre focar na qualidade e na quantidade que consumimos algum alimento, com os doces não é diferente. Não é necessário abolir de sua vida, afinal é muito bom saborear um docinho, só é preciso dosar a quantidade, para que não traga malefícios à sua saúde e aumente o seu peso.

A hipnose é um processo fantástico nesse aspecto, podemos utilizá-la para aprendermos a comer com moderação, dessa forma o açúcar sai da lista dos alimentos que nos fazem cair em compulsão.

Esse processo engloba vários focos em que a intenção é mudar a qualidade da alimentação, motivando o paciente na direção que o levará a diminuir os doces, assim como outros alimentos que não devem ser consumidos em excesso.

Nada melhor do que poder comer o que se gosta sem culpa, sem perda de controle, assim essa opção de mudar a relação com a comida pode estar em suas mãos.

Luciana Kotaka

Especialista em Obesidade e Transtornos Alimentares

Hipnoterapeuta Cognitiva e Ericksoniana

Salvar

Escreva um comentário